Em qual região do Rio os criminosos e a polícia matam mais?

Em meio à guerra na capital, socioeconomia.org usa dados oficiais para comparar números de homicídios provocados por criminosos e policiais em diferentes regiões do Estado do Rio

Letalidade policial, que esteve no menor nível em 2013, voltou a subir nos últimos anos / Foto: Wikicomons

Da Redação

Os cariocas acompanharam assustados, ao longo da semana passada, o recrudescimento da violência na cidade, que culminou com a ocupação da Rocinha pelas Forças Armadas. Inicialmente restrito ao interior da maior favela da América Latina, o confronto se espalhou por pelo menos 14 bairros do Rio. Oficialmente, foram confirmadas 3 mortes e 16 pessoas foram presas.

Apesar dos dias sem paz, um levantamento do Instituto de Segurança Pública (ISP) do Rio revela que, mesmo com o aumento da violência, a capital fluminense ainda não atingiu o mesmo número de casos de homicídio observado em outras regiões do Estado. O levantamento contabiliza dados até o ano passado, portanto, os episódios de violência dos últimos meses não estão refletidos nos números do gráfico.

LEIA MAIS: As 10 cidades mais e menos violentas do Brasil

LUGAR ONDE ‘CRIMINOSOS’ MAIS MATAM NO ESTADO

Tome como exemplo a Baixada Fluminense. A região que engloba cidades como Nova Iguaçu, Queimados e São João de Meriti tem uma taxa proporcional de homicídio doloso – que é quando o indivíduo deseja matar ou é responsável por planejar alguma ação que provoca a morte de alguém – mais de duas vezes maior, em comparação com a capital. O panorama é o mesmo tanto no Interior como na região da Grande Niterói (que engloba São Gonçalo), onde a taxa proporcional de homicídio também é superior a da cidade do Rio.

No gráfico, estão todos os crimes enquadrados como homicídio doloso. Nele, foram contabilizados mortes decorrentes, por exemplo, de assaltos, de uma briga entre amigos, de discussão no trânsito, que podem ter sido provocadas por qualquer cidadão sem antecedente criminal ou alguém condenado pela Justiça Penal.  O termo “criminoso” utilizado na matéria foi usado porque, tecnicamente perante a lei, quem comete um crime é criminoso.

LUGAR ONDE A POLÍCIA MAIS MATA

Quanto aos homicídios referentes à intervenção policial, a região da Grande Niterói lidera os dados com 10,1 por 100 mil habitantes. A capital, com 7,1 por 100 mil habitantes, conseguiu reduzir em 50% o número em relação há uma década, mas os dados voltaram a crescer desde 2012. O Interior do Rio e a Baixada têm números mais baixos, mas que também estão em crescimento.

Em termos de comparação, a taxa de homicídio totais em países desenvolvidos fica entre 0 e 5. Na Alemanha, por exemplo, é de 0,7  por 100 mil habitantes. Já na França é de 1 por 100 mil habitantes. Os Estados Unidos foge à regra com uma taxa de 10,9 por 100 mil habitantes – mesmo elevada para os padrões de países ricos, é importante ressaltar que o número de mortes por lá, é praticamente o mesmo da região da Grande Niterói.

A reportagem foi editada no final da tarde desta terça-feira (3 de outubro), para e inclusão das taxas de homicídio na França, Alemanha e Estados Unidos.

Comentários