Por que o Maracanã virou uma arena onde os times não querem jogar?

O socioeconomia.org investigou a questão e apresenta dois gráficos que mostram como os lucros dos clubes ficaram menores

Da Redação

Hoje à noite, Flamengo e Botafogo disputam no Maracanã uma vaga na final da Copa do Brasil. Por pouco a partida não foi marcada para ocorrer em outro estádio. Inicialmente, o Flamengo, dono do mando de campo, havia sinalizado que o confronto seria na Ilha do Governador.  A torcida, porém, protestou, e o clube voltou a atrás. Mas por que um dos clubes mais identificados com a arena não queria jogar no “Maior do Mundo”? O socioeconomia.org investigou a questão e apresenta dois gráficos que mostram como os lucros dos clubes ficaram menores e as despesas deram um salto.

De acordo com dados levantados pela equipe do socioeconomia.org, os custos atuais do aluguel e da operação do Maracanã ajudam a entender por que há um desinteresse dos clubes cariocas em mandar jogos no estádio. Por meio do estudo de borderôs disponibilizados pela Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ), foi feita uma análise de receitas e despesas de duas partidas do Campeonato Carioca e duas disputadas pelo Brasileirão. Em ambas as competições, foram selecionados jogos em 2009 e em 2017.

O gráfico abaixo mostra a final do Campeonato Carioca de 2009, disputada por Flamengo e Botafogo. Na partida, a arrecadação da bilheteria foi de R$1,9 milhão (R$ 3.294.670, em valores corrigidos pela inflação do período), com um público pagante de 78.393 pessoas.

LEIA MAIS: Maracanã uma arena impagável

Já neste ano, a renda do Fla-Flu que decidiu o título do Carioca foi de R$3,2 milhões. Só que a despesa da partida foi de assustadores R$2,1 milhões – duas vezes mais do que em 2009. Segundo o borderô do jogo, houve a venda de 58.399 ingressos. Em outras palavras, a renda nas duas ocasiões foram praticamente iguais, mas as despesas tiveram um salto em 2017, o que fez o lucro dos clubes despencar.

Fonte: Ferj / Os valores foram corrigidos pelo INPC aos preços de maio/17

A outra partida analisada pelo socioeconomia.org foi Flamengo x Goiás, em 2009, disputada na reta final do Campeonato Brasileiro. O jogo teve 78 mil pagantes, alcançando uma renda de R$1,4 milhão (R$ 2,3 milhões em valores corrigidos pela inflação do período). Como as despesas ficaram em R$431 mil (R$721 mil em valores corrigidos pela inflação do período), o time rubro-negro levou para casa R$ 1 milhão (R$ 1,6 milhões em valores corrigidos pela inflação do período).

Neste ano, o jogo de abertura do Campeonato Brasileiro, entre Flamengo e Atlético-MG – o único do time rubro-negro na arena –, levou 42 mil torcedores pagantes ao estádio. A arrecadação do jogo foi de R$ 1,8 milhão, e o lucro do time da Gávea foi de R$ 469 mil. Despesas maiores, lucros reduzidos.

 

Fonte: Ferj / Os valores foram corrigidos pelo INPC aos preços de maio/17

Comentários